blog

Biblioteca do Tecniquês e Startupês

27

ago

Biblioteca do Tecniquês e Startupês

Biblioteca Sem categoria

Product Manager (PM):

gestor ou gerente de produto. São responsáveis por orientar o sucesso do produto e liderar a equipe responsável por melhorá-lo. O foco desta função é na eficácia do produto e as operações em que este está envolvido. Participa de ponta a ponta.

Project Manager (PM):

gestor ou gerente de projeto. Envolvem-se no planejamento e na organização dos recursos de uma empresa para fazer uma tarefa, evento ou dever específico até sua conclusão. Pode participar de um projeto único ou uma atividade contínua. Os recursos que gerência incluem pessoal, finanças, tecnologia e propriedade intelectual. O foco desta função é na eficiência da operação.

Program Manager (PM):

gestor ou gerente de programação. Esta função aparece em empresas ligadas ao setor midiático. São responsáveis pela programação de conteúdo destas empresas.

TPM ou Technical Product Manager:

gestor ou gerente técnico de produto. Esta função na área de produto é desempenhada por alguém com uma sólida formação técnica que normalmente se concentra nos aspectos mais técnicos do produto.

PMM ou Product Marketing Manager:

gestor ou gerente de marketing de produto. É especializado em marketing para comunicar o valor do produto para o mercado.

Product Ops:

operações de produto é uma função projetada para ajudar a equipe de produto multifuncional de uma empresa a operar da forma mais eficaz possível. Os especialistas em operações de produto são os donos de muitas das iniciativas de bastidores da equipe de produto.

Product Owner (PO):

o “dono” do produto é responsável por maximizar o valor do produto resultante do trabalho da Equipe de Desenvolvimento. A maneira como isso é feito pode variar amplamente entre organizações, equipes Scrum e indivíduos. Possui visão tática e operacional, mas não é estratégico como o Gerente de Produto.

SCRUM:

É uma estrutura ágil para desenvolver, entregar e sustentar produtos complexos. Criado para equipes de dez ou menos membros, que dividem seu trabalho em objetivos que podem ser concluídos em iterações fixas no tempo, chamadas de sprints.

Métricas:

são medidas de avaliação quantitativa usadas para avaliar, comparar e rastrear o desempenho ou a produção. Geralmente, um grupo de métricas será usado para construir um painel que a gerência ou analistas revisam regularmente para manter avaliações de desempenho, opiniões e estratégias de negócios.

Métricas de Produto:

são as métricas focadas na North Star Metric ou NSM e precisam conter proposta de valor e captura de valor. Exemplos de métricas de produto incluem taxa de conversão, taxa de rotatividade e receita recorrente mensal. Todas essas métricas devem estar vinculadas à estratégia do produto.

North Star Metric (NSM):

conhecida também como métrica de foco, é a principal medida de sucesso para a equipe de produto de uma empresa. Define a relação entre os problemas do cliente que a equipe de produto está tentando resolver e a receita que o negócio pretende gerar com isso.

Proxy Metric:

traduzida como métrica sintomática, é um substituto para sua métrica de engajamento de alto nível – a métrica que define a qualidade geral do seu produto.

ROI (return on investment):

é a proporção entre o lucro líquido (ao longo de determinado período de tempo) e o custo de investimento. Um ROI alto quer dizer que os ganhos do investimento se comparam favoravelmente ao seu custo.

Custo de aquisição do Cliente (CAC):

é o custo de conquistar um cliente para comprar um produto/serviço. Sendo uma importante unidade econômica, os custos de aquisição do cliente estão frequentemente relacionados ao valor do tempo de vida do cliente (life-time value – LTV).

LTV (Life-time Value):

é uma previsão do lucro líquido dado a todo o relacionamento futuro com um cliente. O modelo de previsão pode ter vários níveis de complexidade e precisão.

MPV (MVP):

produto mínimo viável é uma versão de um produto com recursos suficientes para satisfazer os primeiros clientes e fornecer feedback para o desenvolvimento futuro do produto

Vanity Metric:

métrica de vaidade é aquela que não entrega valor e deve ser descartada. O famoso “likes” não pagam as contas.

Validação de Mercado:

é o primeiro momento de validação. Aqui, percebe-se se existe mercado, clientes e qual problema você está resolvendo. O próximo momento é a Validação de ideia.

Validação da Ideia:

a etapa para perceber se a tua proposta de valor ofertada está condizente com o problema que foi identificado. Trabalha-se a oferta. O próximo momento é a Validação de Produto.

Validação de Produto:

após as validações anteriores, existem dados suficientes para o lançamento de uma espécie de “produto teste” que, através dos feedbacks, tomará formas mais concretas com o tempo.

Smoke testing:

o teste de fumaça é basicamente fazer uma oferta (falsa) para testar as funcionalidades mais importantes do seu produto. É usado para avaliar se tudo funciona corretamente.

Landing Page:

é qualquer página criada para receber estrategicamente visitantes para gerar uma determinada conversão. São muito utilizadas no Marketing Digital.

CEO:

este é o diretor de produtos (Chief Product Officer), e está ligado às operações relacionadas aos produtos criados pela empresa, como a produção deles.

Customer development:

é uma metodologia formal para a construção de startups e novos empreendimentos corporativos.

Outsourcing:

é a prática de terceirizar serviços ligados à parte estratégica da empresa. É uma ajuda externa para a empresa e os empreendedores.



Os comentários estão desativados.